sobre

Práticas antes de falar em público

Práticas antes de falar em público

Como todos nós já vivenciámos, só a ideia de falar em público pode tornar-se numa experiência stressante, contudo essa não tem de ser a realidade vivida.

Coordenar uma reunião, exibir uma apresentação ou liderar uma palestra são oportunidades fantásticas de fazer chegar uma mensagem ou uma informação aos outros e há que aproveitá-la da melhor forma.

Os instantes que antecedem a subida ao palco são determinantes, no êxito da sua comunicação com o público alvo.

É primordial que encontre o método que melhor se adequa ao seu perfil, a fim de ganhar a confiança e a segurança necessárias para tornar a sua apresentação memorável e para atingir os objetivos a que se propõe.

Existem várias práticas que pode adotar como suas e – não se preocupe – não tem obrigatoriamente de selecionar apenas uma. Experimente, vivencie e descubra o que o faz sentir bem, não só naqueles momentos, mas ao longo de toda a prestação.

 

Criar empatia

A sua plateia não é o bicho papão e ao gerar empatia pela mesma permite-lhe conhecê-la, estabelecer uma ligação e, desta forma, chegar mais facilmente a todos os que estão à sua frente. Antes da apresentação, circule por entre os participantes, questione-os sobre os interesses relativamente ao tema que vai expor.

Outra técnica, que seguramente vai ajudar a criar empatia, passa por sentar-se num dos lugares da plateia, respirar fundo e observar o palco que vai pisar. Quando chegar o momento, sentirá uma proximidade e uma familiaridade com o espaço.

 

Gerar adrenalina

Muitos comunicadores necessitam de sentir um elevado nível de adrenalina ao falar em público. A batida acelerada do coração e o sangue a correr vigorosamente nas veias transformam-se em entusiamo na mensagem, que quer passar, o que ajuda a controlar estados de ansiedade e de nervos.

Existem várias formas de produzir estes estados de energia. Desde praticar algum tipo de desporto, antes de se deslocar para o espaço da apresentação, até colocar uma música ritmada numa das salas e dançar como se não houvesse amanhã.

Se nenhuma destas opções se mostrar viável, pode sempre dar uns pulinhos (sim, pular) nos bastidores ou caminhar em passo acelerado pelo espaço.

 

Parar e refletir

Mas como somos todos diferentes, o que funciona para uns pode não resultar para outros. Ter a oportunidade de se recolher, nos instantes que antecedem a sua exposição pública, revela-se a melhor solução para alguns oradores. Usufruir de tempo para refletir, para meditar ou para rezar, para os mais crentes, ajuda a criar o foco necessário para o que se seguirá e a centrar a sua atenção nos pontos fulcrais da apresentação.

Para os mais ansiosos, este tipo de rituais permite encontrar a calma tão desejada nestas ocasiões.

 

Interiorize os mantras

A repetição de palavras ou expressões impulsionadoras, como “Eu consigo”, “Sê tu mesmo” ou “Estou aqui para dar tudo o que tenho” visam atingir um estado de relaxamento em que a mente, ao longo deste processo, assimila o conceito ou a ideia subjacentes.

Aqui, o grande estímulo é encontrar as tais palavras, expressões ou sons que lhe proporcionam bem-estar e conforto.

Quanto melhor se sente consigo mesmo, maior é o sucesso da sua apresentação.

O meu mentor, Doug Stevenson, tem uma frase que eu adoro. Não há vez, em que suba ao palco, que não a repita várias vezes “This is me, this is what I know, let´s go.”

 

Isto sou eu, é isto que eu sei. Vamos a isto.